Arquivo do dia: julho 8, 2008

feijoada do olivier

chef olivier

chef olivier

Todo dia dá vontade de publicar uma receita aqui no ouiouioui. É evidente que a cultura francesa tem zilhões de outros aspectos irresistíveis, mas… Da série “pratos típicos da cozinha brasileira interpretados por chefs franceses”, segue a receita de Olivier Anquier para a feijoada. Aliás, um chef que há tempos já faz parte dos nossos franceses (!)

Ingredientes, para 50 porções:

• 8 kg de feijão preto
• 5 kg de arroz
• 4 kg de carne seca
• 3 kg de lombo salgado
• 3 kg de costela salgada
• 1 kg de toucinho defumado
• 3 kg de lingüiça calabresa
• 1 kg de lingüiça de paio
• 2 kg de carne fresca (pá, peito ou acém)
• Cebola, alho e folhas de louro a gosto

Prepare assim:

• Deixe as carnes de molho por no mínimo 12 horas de antecedência para tirar o excesso de sal;
• Lave o feijão e coloque-o para cozinhar em uma panela com as carnes;
• Conforme o cozimento das carnes, vá tirando-as da panela para não desmancharem;
• À parte, faça um refogado com bastante alho (bem amassado) e bastante cebola (bem picada);
• Quando a cebola e o alho estiverem dourados, coloque o feijão e prove o sal;
• Sirva o feijão e as carnes em recipientes separados para que as pessoas possam escolher a carne que desejam comer.

Deixe um comentário

Arquivado em ...na cozinha, ...nossos franceses

programinha cult para os pequenos e seus acompanhantes

Férias escolares e nossos petits terão a chance de conhecer dois clássicos do cinema francês: os curtas “O Balão Vermelho” (1956) e o “Cavalo Branco” (1953), com cópias restauradas, exibidos na mesma sessão em cinemas de São Paulo.

O “Balão Vermelho”, de Albert Lamorisse tem trama tão simples quanto mágica: o menino Pascal, à caminho da escola, encontra um balão vermelho preso a um poste, ele pega o balão, mas ao chegar em casa, sua avó o solta pela janela. Só que o balão se recusa a bandonar o menino e o acompanha em vários ritos de passagem para a vida adulta.

O “Cavalo Branco”, segundo e mais conhecido filme de Lamorisse, rendeu ao diretor a boa fama de mestre do documentário poético, também explorando as dores e alegrias do tornar-se adulto.

Deixe um comentário

Arquivado em ...no cinema