Arquivo da categoria: …nas letras

caravana de autores franceses

Se dos franceses você só leu e só conhece os clássicos, prepare para começar a ver por aí referência a muitos nomes de novos autores, e ficar com vontade de ler tudo. Li no site oficial do evento que a França vai enviar três caravanas de autores para participar de eventos do Ano da França no Brasil. Organizadas por Jérémie Desjardins, responsável pelas mediatecas da embaixada da França no Brasil, as caravanas acontecerão ligadas aos principais eventos literários do País: a Flip (em Paraty), a Bienal do Livro, a Festa do Livro (em Porto Alegre), o Fórum das Letras de Ouro Preto, a Bienal do livro de Recife, entre outros. 

Em tempo, Jérémie também faz a ponte entre os eventos literários e as editoras e escritores franceses. 

Outra coisa interessante é que, justamente para estimular a publicação dos autores franceses, foi criada a Coleção França.Br 2009, um carimbo que será dado a todos os livros com apoio oficial francês. As editoras Record, Objetiva, Companhia das Letras, Jorge Zahar, entre outras, receberão 180 mil euros para a publicação de títulos franceses nas áreas de literatura e ciências humanas e sociais, além de, com um foco menor, livros de ficção.

É esperar para ler!

2 Comentários

Arquivado em ...nas letras

o pequeno príncipe em quadrinhos

 

o pequeno principe

O Pequeno Príncipe também entrou na onda da reedição de clássicos no formato de quadrinhos. O livro que já tem 65 e é a publicação francesa mais vendida do mundo, ganhou recentemente uma versão em quadrinhos feita Joann Sfar, autor de “O gato do rabino” e “Pequeno vampiro vai à escola”, ambos já publicados no Brasil.

A revista francesa Lire, aliás, chegou a eleger “O pequeno príncipe” em quadrinhos como a melhor HQ do ano.

Agora é com você. Abrir o novo livro e recordar todas as emoções que o original te trouxe, como disse o autor na época do lançamento desta versão na França: “Acho que cada um tem sua história com ‘O pequeno príncipe’. Para mim, foi o livro em que aprendi o que era a morte e também as aquarelas”

Para mim, foi o livro que mais me marcou “imageticamente falando”. Aquela jibóia nunca saiu da minha cabeça

10_jiboia

”Quando o mistério é muito impressionante, a gente não ousa desobedecer.”

1 comentário

Arquivado em ...nas letras

suíte francesa – relatos de uma frança ocupada

“Irène Némirovsky começou a escrever Suíte francesa em 1941, refugiada num povoado francês. Dividido em duas partes, o livro traça um retrato impiedoso da França vencida e ocupada pelos alemães, transformando em ficção fatos que Irène provavelmente presenciara: a debandada dos parisienses às vésperas da invasão nazista, o cotidiano de um vilarejo sob ocupação inimiga, e o drama de uma mulher cujo filho é prisioneiro dos alemães.

Presa e levada para Auschwitz, Némirovski morreu logo depois de terminar o livro. O manuscrito foi salvo pelas filhas e pela governanta, que pensavam tratar-se de um diário. As letras microscópicas revelaram, 62 anos depois, uma obra implacável, um verdadeiro painel da França durante esse doloroso episódio. A edição inclui um anexo com anotações pessoais e a correspondência da autora.”

nemirovsky

A autora, nascida em Kiev (em fevereiro de 1903), estudou, viveu e se refugiou na França. Ela estudou na Sorbonne e começou a escrever quando tinha apenas 18 anos. Morreu em Auschwitz, sem ter a cidadania francesa conquistada, e apesar de ter se convertido ao catolicismo.

Deixe um comentário

Arquivado em ...nas letras