Arquivo da tag: cinema

jacques tati no belas artes

“O Cineclube do HSBC Belas Artes, na região central da capital paulista, ainda exibe parte da programação de filmes da obra de Jacques Tati, que contou com dois longas dirigidos e atuados pelo célebre comediante francês, indicados para todas as idades. A exibição continua até 1º de janeiro de 2009.

“Trafic” (França, 1971) ficou em cartaz de 19 a 25 de novembro e “Parade” (França, 1974) –último filme realizado pelo cineasta– permanece de 26/12 a 1º de janeiro. Os horários podem variar entre 19h e 19h30.

JacquesTati, que antes de se tornar uma figura cinematográfica atuou como esportista, tinha grandes habilidades na arte da mímica. Hulot, seu eterno personagem –que aparece em “Trafic”–, não tem falas e nem sorri nos filmes, mas possui um enorme carisma e uma grande capacidade de fazer rir.

Mesmo não tendo deixado uma filmografia tão extensa, Tati entrou para a história do cinema como um ícone da comédia, ao lado de nomes como Chaplin e Buster Keaton.”

Notícia do Guia da Folha

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em ...no cinema

um filme que vai de paris à amazônia

Um dia, em Paris, Emilio Belmonte ouviu falar de um barco-hospital que percorre a floresta brasileira e quis saber mais sobre o assunto. Viajou até o rio Tapajós para filmar um lugar que nunca havia visto. Ele chegou à Amazônia com olhos de criança e foi levado por um nome que nada lhe dizia, Abaré, que virou o nome de seu filme, que agora está na Mostra de Cinema.

Uma produção Franco-Brasileira.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

cinema mudo com orquestra francesa

A Mostra Internacional de Cinema de São Paulo apresenta dois clássicos do Cinema Mudo, Poil de Carotte (1925), de Julien Duvivier e O Homem que Ri (1928), de Paul Leni. Mas o mais especial é que eles serão exibidos com o acompanhamento da orquestra Octuor de France.

A orquestra foi criada em 1979 pelo clarinetista Jean-Louis Sajot, dando foco à música de câmera do século 18, com temperos da atualidade, e os projections-concerts, nos quais o grupo acompanha 12 dos maiores filmes da era do cinema mudo.

Os músicos já estiveram aqui anteriormente, tocando no auditório do Parque do Ibirapuera.

Em breve publico a data de exibição dos filmes.

1 comentário

Arquivado em ...na música, ...no cinema

comme les autres

Estreia deste fim-de-semana, Comme les Autres (que tem no Brasil o terrível título de Baby Love), confirmando os paradoxos da França moderna, um país onde o aborto é legalizado e acessível, mas um casal de homossexuais, mesmo que dentro de uma união estável e financeiramente bem, não pode adotar uma criança.

E é este o mote da comédia de Vincent Garenq, o roteirista e diretor que faz sua estréia no cinema, depois de muitos anos à frente de programas de TV. O cineasta teve a idéia do filme quando descobriu que um velho amigo, gay, viajou com o namorado e um casal de lésbicas para discutirem a possibilidade de terem filhos.

Deixe um comentário

Arquivado em ...no cinema

alain resnais em restrospectiva

O Centro Cultural Banco do Brasil apresenta em São Paulo a maior retrospectiva já realizada no país sobre a obra do cineasta francês Alain Resnais. Celebrando os 60 anos de carreira do diretor, a mostra “A revolução discreta da memória” apresenta raridades como o curta “Van Gogh” e filmes premiados como “Medos Privados em Lugares Públicos” (melhor direção no Festival de Veneza 2006 e o filme com mais tempo em cartaz em São Paulo em 2008).

É uma oportunidade incrível para ver toda a sua trajetória cinematográfica, além de debates sobre sua filmografia.

A programação completa, que vai do dia 4 ao dia 21 de setembro, você encontra no site do CCBB

———————–

Alain Resnais é um cineasta francês nascido em 3 de Junho de 1922 na cidade de Vannes, na Bretanha francesa. Mais conhecido por suas obras-primas de ficção poética, como “Hiroshima meu amor”/ “Hiroshima mon amour” (1959, com roteiro de Marguerite Duras), e “O Ano passado em Marienbad”/ “L’année dernière à Marienbad” (1961, com roteiro de Alain Robbe-Grillet).

“O Ano passado em Marienbad” é o filme preferido do meu pai. Cresci jogando com ele o jogo que aparece em cena e que hoje procurando na web descobri que se trata de uma variação de um jogo ancestral chamado Nim, que você pode jogar online aqui.

Regras do jogo:

 

É jogado com palitos (de dente ou de fósforos). Faça três fileiras com os palitos, uma embaixo da outra: uma com três palitos, uma com 5 e a ultima com 7.

Cada jogador tem direito a tirar quantos palitos quiser, mas somente de uma fileira de cada vez. Assim, pode-se tirar um único palito da fileira de 7, ou todos da fileira de 3, ou dois da fileira de 5, passando então a vez ao adversário.

Quem ficar com o último palito, perde o jogo. A disposição dos palitos não é a única existente, existindo variações a respeito. Mas em todas elas, a regra básica é a acima descrita.

Mais curiosidades sobre o jogo, aqui

1 comentário

Arquivado em ...no cinema

asterix nas olimpíadas

Em cartaz desde a última sexta-feira, Asterix nos Jogos Olímpicos revisita uma história criada há 40 anos atrás pelos criadores René Goscinny e Albert Uderzo.

A graça do novo filme, além dos sempre perfeitos Asterix e Obelix (interpretados respectivamente por Clovis Cornillac e Gérard Depardieu) fica nos toques modernos da produção e na participação de celebridades, como o piloto alemão Michael Schumacher e o jogador francês Zinédine Zidane. 

Ah! Dizem que se trata do mais caro filme francês feito até hoje, com orçamento de 78 milhões de euros. Vendo a quantidade de efeitos e participações especiais é bem fácil de acreditar nisso. 

————————

Em comemoração aos 40 anos da publicação dos quadrinhos, uma nova edição, com nova capa foi lançada na França e em diversos outros países…

e o filme virou jogo do Wii

1 comentário

Arquivado em ...nas letras, ...no cinema

la graine et lê mulet

No Brasil, com o título de “O Segredo do Grão”,filme francês que assisti meio por acaso e não resisti em comentar por aqui – porque adorei!

É a história de um homem de 60 anos, que depois de aposentado, divorciado e morando às custas da segunda mulher, planeja abrir um restaurante para ter uma renda. Poderia ser contada de uma maneira simples assim. Mas o filme incomoda do começo ao fim, justamente porque não é simples: pela própria história, pelo envolvimento ou passsividade dos personagens e, principalmente, pelo ritmo da narrativa.

O engraçado foi na saída da sala do cinema, quando passei no banheiro e quatro senhoras comentavam realmente irritadas com tudo que tinha me feito gostar tanto do filme. Me perguntaram se eu tinha assitido ao filme e eu dei de judas. Preferi deixá-las à vontade e simplesmente ainda gostar mais do filme, por ter percebido que elas foram muito tocadas por ele.

Título no Brasil: O Segredo do Grão
Título Original: La Graine et lê Mulet
País de Origem: França
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 151 minutos
Ano de Lançamento: 2007
Estréia no Brasil: 11/07/2008
Site Oficial: http://www.lagraineetlemulet-lefilm .com
Estúdio/Distrib.: Imovision
Direção: Abdel Kechiche

Deixe um comentário

Arquivado em ...no cinema