Arquivo da tag: Cinemateca Brasileira

pequenas jóias do cinema francês

 

6guitrytournage432ok

Começou na quarta-feira a mostra “Pequenas Jóias do Cinema Francês”, com uma série de produções francesas rarar produzudas entre os anos de 1941 e 1961.

A mostra acontece na Cinemateca Brasileira e apresenta duas sessões diárias até o domingo dia 23, com filmes de Christian-Jaque, Jean Delannoy e Roger Leenhardt.

Hoje, sexta-feira, são apresentados os filmes Sombras na Areia, de Jacques Bourdon com Anna Karina (em versão original, sem legendas) e O Assassinato do Papai Noel, de 1941, de de Christian-Jaque (com legendas em português), às 19h e 21h respectivamente.

No sábado, o dia começa com o filme Jogo Feito, de Jean Delannoy (com legendas em português), seguido por uma reapresentação do Sombras na Areia. Às 18h30 e 20h30, respectivamente.

Para fechar a mostra, são apresentados no domingo os filmes As Últimas Férias, de Roger Leenhardt (em versão original, sem legendas) e O Diabo Manco, de Sacha Guitry (com legendas em português), às 19h e 21h, respectivamente.

A Cinemateca fica no Largo Senador Raul Cardoso, 207, Vila Clementino.

Deixe um comentário

Arquivado em ...no cinema

na mostra delírios em 35mm

Hoje, domingo, Ladrão de Sonhos (ou La Cité des Enfants Perdus), uma co-produção de França, Espanha e Alemanha de 1995. O diretor e os atores são franceses (Direção: Jean-Pierre Jeunet e Marc Caro. Com: Ron Perlman, Dominique Pinon, Jean-Claude Dreyfus, Jean-Louis Trintignant) e história traz um homem incapaz de sonhar e que rapta crianças para roubar seus sonhos… até que um caçador de baleias parte em busca de seu irmão desaparecido e descobre a Cidade das Crianças Perdidas.

É lindo, é delirante, é emocionante. E é uma desculpa para não ficar em casa neste domingo.

Às 16h30, na Cinemateca Brasileira.

———————-

O diretor, Jean-Pierre Jeunet, para quem ainda não caiu a ficha, é o mesmo diretor do fofo e encantador Amelie Poulain e do surreal Delicatessen.

   

Demorei a conectar as duas (ou as três) realizações do diretor. Mas olhando bem para esta cena de Delicatessen, é bem fácil fazer a conexão com a estética de Amelie… não acha?

Mais informações sobre a mostra, aqui

Deixe um comentário

Arquivado em ...no cinema