Arquivo da tag: Jean-dominique Bauby

o escafandro e a borboleta em cartaz

O filme de Julian Schnabel, que fez parte da programação do recente Panorama do Cinema Francês no Brasil 2008, entrou hoje em circuito comercial. Inspirado na autobiografia de Jean-Dominique Bauby (1952-97), editor da Elle francesa que depois de um derrame aos 43 anos de idade, ficou paralisado, mas consciente. Quem quiser ler mais sobre, Sérgio Rizzo escreveu hoje na Folha de S Paulo.

Deixe um comentário

Arquivado em ...nas letras, ...no cinema

le scaphandret et le papillon

Hoje é dia de “O Escafandro e a Borboleta”, às 18h, na programação do Panorama do Cinema Francês no Brasil, que acontece no Reserva Cultural até amanhã.

Vamos aos detalhes técnicos:

Título Original: Le Scaphandre et le Papillon
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 112 minutos
Ano de Lançamento (França / EUA): 2007
Site Oficial: www.lescaphandre-lefilm.com
Estúdio: Pathé Renn Productions / France 3 Cinéma / Canal+ / Région Nord-Pas-de-Calais / The Kennedy/Marshall Company / C.R.R.A.V. Nord Pas de Calais / Ciné Cinémas / Banque Populaire Images 7
Distribuição: Miramax Films / Europa Filmes
Direção: Julian Schnabel
Roteiro: Ronald Harwood, baseado em livro de Jean-Dominique Bauby
Produção: Kathleen Kennedy e Jon Kilik
Música: Paul Cantelon
Fotografia: Janusz Kaminski
Desenho de Produção: Michel Eric e Laurent Ott
Figurino: Olivier Bériot
Edição: Juliette Welfling

A sinopse, de acordo com o site e-pipoca:

Jean-Dominique Bauby (Mathieu Amalric) tem 43 anos, é editor da revista Elle e um apaixonado pela vida. Mas, subitamente, tem um derrame cerebral. Vinte dias depois, ele acorda. Ainda está lúcido, mas sofre de uma rara paralisia: o único movimento que lhe resta no corpo é o do olho esquerdo. Bauby se recusa a aceitar seu destino. Aprende a se comunicar piscando letras do alfabeto, e forma palavras, frases e até parágrafos. Cria um mundo próprio, contando com aquilo que não se paralisou: sua imaginação e sua memória.

Baseado no livro O Escafandro e a Borboleta, de Jean-Dominique Bauby.

Depois de ler tanto sobre o filme, o bom mesmo é assistí-lo.

O Reserva Cultural fica na Av. Paulista, 900.


Deixe um comentário

Arquivado em ...no cinema